A leptina – o hormônio que emagrece

leptina 300x225 A leptina   o hormônio que emagrece

Não há nada que gere mais dinheiro do que tratamentos para obesidade. E quando colocam adjetivos e locuções adjetivas após o tratamento/dieta/remédio, incautos desesperados em eliminar peso procuram informações de como fazer ou comprar.

Nosso blog tem um objetivo sério: pesquisar métodos e maneiras para perder peso, dissecá-los com o mínimo de critério permitido a leigos como eu e minha equipe e publicar textos concisos. Por isso não afirmarmos nem endossamos qualquer coisa que caia em nosso colo.

Nosso objetivo é informar com isenção e responsabilidade e é o que faremos aqui sobre a leptina, já que há diversos blogs e sites falando sobre ela. Faremos um pequeno texto sobre o que existe de concreto.

O que é leptina?
Leptina é um hormônio produzido e secretado pelo tecido adiposo.

Como a leptina age?
Após ser secretado pelas células de gordura, a leptina vai ao cérebro e age no hipotálamo, informando que já existe gordura suficiente no organismo. Quando avisado, o hipotálamo ativa a sensação de saciedade.

 A leptina   o hormônio que emagrece

Sob quais circunstâncias o metabolismo produz mais leptina?
A leptina é secretada mais rapidamente quando uma pessoa se alimenta após um período curto de jejum; quando a insulina age normalmente; quando usa-se medicamentos a base de cortisol; e nos caos de infecção bacteriana ou virótica. Mulheres produzem mais leptina do que os homens.

Por que obesos não são influenciados pela leptina, já que há mais hormônios disponíveis?
Pessoas obesas adquirem resistência à leptina graças à grande quantidade do hormônio no organismo. Por isso, o hipotálamo só recebe a informação de saciedade quando não há mais espaço físico para alimentos no interior.

É um círculo vicioso: para que a leptina cumpra seu papel em um organismo obeso e imune ao seu efeito, é preciso cada vez mais comida, o que causa aumento de peso, que causa maior imunidade.

Já existem remédios contendo leptina?
As pesquisas com a leptina começaram a ser feitas em meados da década de 1970 e embora já existam resultados que comprovem a ação benéfica da leptina em tratamentos médicos para obesidade, imunização, atividades musculares e circulatórias, não foram desenvolvidos remédios ou compostos com leptina, mesmo porque o desenvolvimento de fármacos é um processo longo.

O que fazer até lá?
Praticar atividades físicas aliadas a uma dieta que privilegie o consumo de alimentos que permitam uma deglutição lenta, tanto na mastigação quanto na metabolização. Consulte um médico e um nutricionista antes de qualquer atitude. E nunca acredite na primeira panaceia disseminada pela internet.

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *