A dieta das combinações

Combinar tipos de alimentos tem sido alvo de dietas desde os primórdios da criação das dietas. Conheça a versão mais famosa, a Dieta das Combinações, criada nos Estados Unidos.

01 de abril de 2014 • Por Mariana, em Alimentos, Dicas e Dietas


A ideia de liberar todos os tipos de alimentos em uma dieta não é nova; provavelmente foi concebida desde que a primeira restrição alimentar foi proposta.

Uma das primeiras tentativas de criar cardápios baseados no equilíbrio entre os alimentos foi a dieta das combinações, supostamente criada pelo naturopata estadunidense Herbert Macgolfin Shelton.

0004673337O-849x565


Propostas da dieta das combinações

O objetivo primordial da dieta das combinações é aparentemente simples: ao invés de retirar itens do cardápio, “proibindo” seu consumo, permite-se que se coma de tudo, desde que dentro de combinações alimentares consideradas certas.

Segundo os preceitos da dieta, parcerias inadequadas provocam fermentação, e ela provoca a multiplicação das calorias das refeições ingeridas.

Para que a dieta das combinações surta o efeito desejado, recomenda-se que se obedeça uma lista de reuniões de alimentos que não provoquem fermentação e que se observe um prazo mínimo entre as refeições.

Eis um dos principais entraves ao sucesso desse regime: o rigor por vezes excessivo das combinações, alguns beirando à irrealidade. Mas vamos por partes.


Prazos adequados, combinações proibidas e sugeridas

Na dieta das combinações, o prazo entre uma refeição e outra é um elemento crucial, pois a obediência a esse período de tempo evita fermentações. Recomenda-se um intervalo de duas horas entre refeições leves, como lanches e petiscos, e de quatro horas entre as principais refeições.

carregando…

As combinações inadequadas, segundo as normas desta dieta, são:

  • Doces na sobremesa – Há um conflito entre as enzimas que metabolizam alimentos doces e salgados, e esse embate produz a temida fermentação.
  • Leite com pães e frutas – O leite deve ser consumido sozinho, pois não combina com nada.
  • Dois tipos de carboidrato nas principais refeições – Misturar arroz e macarrão, por exemplo, pode deixar a digestão lenta e fazer com que o acúmulo de gordura nas células adiposas seja maior.
  • Cerveja e vinho nas refeições – Bebidas alcoólicas fermentadas tendem a fermentar ainda mais quando estão em um ambiente mais quente, como o estômago.
  • Carboidrato no jantar – Pães e massas tendem a aumentar o teor de açúcar no sangue e reduzem a ação do hormônio de crescimento durante o sono.

Já as combinações podem ser resumidas na junção dos nutrientes. Acompanhe os pares ideais nas refeições.

  • Carboidrato e proteína.
  • Carboidrato e gordura.
  • Carboidrato, proteína e fibras solúveis e insolúveis.
  • Leite e seus derivados sem nenhum acompanhamento.
  • Doces e frutas apenas como lanches, e com moderação.


Efeitos colaterais da dieta das combinações

As conclusões sobre as combinações não abrangem as necessidades calóricas e nutricionais nas junções de alimentos que supostamente formar pares perfeitos. Não há na literatura médica estudos conclusivos sobre a eficácia dessas combinações tanto no tratamento da obesidade quanto no fornecimento dos nutrientes.

Existem dietas fisiológicas com preceitos parecidos, mas que se baseiam nas alergias alimentares de cada indivíduo. Antes de aderir à dieta das combinações, consulte um nutricionista e um clínico geral para fazer uma avaliação completa.

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Deixe seu comentário!