A dieta LEARN

Das dietas estadunidenses estreladas, a dieta LEARN é a menos conhecida, provavelmente graças às suas regras rigorosas.

Algumas dietas não conseguem ultrapassar as fronteiras do país em que foi criado. Os motivos variam entre a dificuldade em adaptar rotinas e cardápios às realidades e idiossincrasias de outros países e a dedicação extrema que a reeducação alimentar exige. A dieta LEARN pertence à casta das exigentes.

Desenvolvida pelo doutor Kelly Brownell, professor da renomada Universidade Yale e um dos maiores especialistas em alimentação e obesidade dos Estados Unidos, a dieta LEARN prega, com o proselitismo dos cientistas, uma verdadeira mudança comportamental em cada indivíduo.

Princípios básicos da dieta LEARN

O nome da dieta é um acrônimo em Inglês que forma o verbo “learn”, que significa aprender. Veja o significado de cada letra:

  • L – lifestyle, ou estilo de vida.
  • E – exercise, ou exercício.
  • A – attitudes (não carece de tradução, creio eu).
  • R – relationships, ou relacionamentos.
  • N – nutrition, ou nutrição.

Mais do que uma simples dieta para eliminar peso, a proposta central é uma mudança  de comportamento que envolva a maneira com que a pessoa se relaciona com a comida, a inclusão de exercícios físicos com regularidade diária e mudanças graduais e contínuas do velho estilo de vida “fast-food”.

O alimento na dieta LEARN

Ao contrário de muitas dietas estadunidenses que dão status de vilãs aos carboidratos, a dieta LEARN segue as determinações da pirâmide alimentar, que preconiza um percentual de pelo menos 60 por cento de carboidratos complexos, oriundos de cereais integrais, verduras, legumes e frutas.

As dietas pobres em carboidratos tendem a deixar as pessoas irritadiças, cansadas e com problemas intestinais, hepáticos e mesmo cardiovasculares. Sabe-se hoje que um prato de massa no jantar ajuda a produzir melatonina, o hormônio do sono.

Já as gorduras, também demonizadas em diversos tratados dietéticos, tem papel de destaque na dieta LEARN graças à sua capacidade de regeneração do tecido das células. Gorduras mono e poli-insaturadas são amigas do sistema circulatório, por isso a determinação de 10 por cento do nutriente na alimentação.

O comportamento na dieta LEARN

Os ensinamentos da dieta LEARN são capazes de identificar riscos alimentares e comportamentais à saúde. Alergias, compulsões alimentares, identificação correta do IMC (índice de massa corporal) são detalhadamente explicados tanto em livros e apostilas quanto por especialistas na dieta.

Embora recomende-se que a dieta seja mediada por um profissional que entenda os preceitos LEARN, ela pode ser aprendida sem auxílio graças ao grande didatismo e facilidade de compreensão dos preceitos.

Quais os riscos da dieta LEARN?

Se a lentidão em conseguir resultados duradouros pode ser considerado um “risco” nesse mundo que tem pressa, então a LEARN pode ser considerado uma dieta “problemática”, por exigir do seu praticante uma disciplina espartana para obter resultados efetivos, mas graduais e saudáveis.

Para obter o nível de estoicismo exigido pela dieta, recomenda-se o acompanhamento de um nutricionista e que se faça atividades físicas sob supervisão. Pode-se dizer que a dieta LEARN é a materialização das recomendações da maioria dos profissionais de saúde feita de forma simples e didática.

Avalie este conteúdo!
Avaliação média: 4.71
Total de Votos: 14
A dieta LEARN

Comente