As pirâmides alimentares

Existem diversas pirâmides alimentares hoje em dia. Elas não vieram para confundir, e sim para adaptarem-se à sua realidade.

A principal orientação nutricional para muitas que querem seguir uma dieta balanceada é seguir a famosa pirâmide alimentar. Nela, encontra-se exposta de maneira gráfica os tipos de alimentos e a sugestão de porções adequadas.

Contudo, de uns tempos para cá observou-se a criação de diversas pirâmides alimentares, graças principalmente às diversidades cultural e alimentícia do mundo. Antes de perguntar “qual é a melhor ou a pior”, deve-se sempre questionar “qual é a pirâmide alimentar mais adequada”.

As bases das pirâmides alimentares

O uso de uma forma geométrica como a pirâmide não foi um mero acaso. Ela exemplifica, de forma esquemática, os pilares da dieta balanceada, que são cinco:

  • Adequação;
  • Qualidade;
  • Quantidade;
  • Harmonia;
  • Variedade.

Quaisquer pirâmides alimentares irão sugerir como, o que, quando, quanto, e de que forma os principais nutrientes e vitaminas devem ser consumidos por um ser humano para que todas as suas necessidades nutricionais sejam satisfeitas, baseando-se na perfeita distribuição entre carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e sais minerais.

Porções das pirâmides alimentares

Uma representação piramidal básica divide os alimentos em três grupos primordiais:

  • Construtores;
  • Reguladores;
  • Energéticos (subdivididos em energéticos extras).

As proteínas costumam se encontrar nos alimentos construtores. As vitaminas, sais minerais e demais micronutrientes, nos alimentos reguladores. Os carboidratos estão em sua maioria nos alimentos energéticos. Já as gorduras e açúcares simples são considerados energéticos extras.

Dentro desses grupos, recomenda-se as seguintes porções:

  • Construtores – até 3 porções de leite e derivados, até 2 porções de carnes e até uma porção de leguminosas.
  • Reguladores – até 5 porções de frutas e verduras.
  • Energéticos – até 9 porções de cereais, massas e raízes.
  • Os energéticos extras, como doces e gorduras, devem ser consumidos com moderação.

Quais são as novas pirâmides alimentares? E por que elas foram criadas?

Iremos por partes. As diversas pirâmides alimentares usam como diretriz a realidade pesquisada em alguns países, ou contemplam dietas que se fundamentam em estilos de vida diversos. Eis as principais:

Pirâmide alimentar brasileira

Adaptada e localizada pensando na realidade do Brasil e nos alimentos encontrados na mesa dos lares de nosso país, ela se subdivide graficamente dentro dos conceitos grupais usando produtos facilmente encontrados nos supermercados. A principal intenção é mostrar que se pode comer de tudo, desde que em suas devidas porções.

piramide-alimentar-brasileira-desenhada

Pirâmide alimentar do Ministério da Agricultura estadunidense

Por conta da crônica obesidade que assola os Estados Unidos, foi criada uma nova pirâmide, preconizando o baixo consumo de gorduras, açúcares e carnes vermelhas. Incluiu-se no desenho as atividades físicas e o aumento das porções de alimentos in natura e integrais.

247537_208973275809843_186313674742470_596467_4973815_n[1]

Pirâmide alimentar vegana

Pensando na hoje enorme população que prefere eliminar alimentos de origem animal, a Associação Dietética Americana elaborou um esquema alimentar que equilibra os nutrientes de forma saudável.

piramidevegana

Pirâmide alimentar funcional

Esse é um diagrama usando-se apenas alimentos com funções benéficas ao organismo, e que desempenham mais do que simplesmente nutrição. São comidas que, se consumidas regularmente e nas porções corretas, podem prevenir diversas doenças degenerativas, como o diabetes e a hipertensão. Note-se a ausência de laticínios, substituindo o consumo do cálcio desses alimentos por suplementação vitamínica.

index_clip_image021

Além dos diagramas em forma de pirâmide, que estabelecem uma hierarquia, há os esquemas circulares, chamados de Roda de Alimentos, onde prioriza-se a visualização das porções como se fosse o diagrama do prato ideal.

a-roda-dos-alimentos

O objetivo das novas pirâmides alimentares é adaptar o cardápio às realidades existentes dentro do planeta Terra, não impondo nenhuma “regra de certo ou errado” nas dietas. O que se propõe é a adequação: observa-se a rotina do paciente, pede-se exames para verificar carências alimentares e excessos e determina-se um cardápio que acolha todos os nutrientes necessários sem sobrecarregar o organismo nem deixá-lo acumular gorduras e toxinas desnecessárias.

Por mais que a representação gráfica da pirâmide aparente ser simples de ser seguida, nunca deixe de consultar um médico e um nutricionista. Cada pessoa tem demandas específicas que só uma consulta apurada pode determinar.

Avalie este conteúdo!
Avaliação média: 4.6
Total de Votos: 14
As pirâmides alimentares

Comente