Carnes: mitos e verdades

Afinal, quais carnes são benéficas ou maléficas em uma dieta saudável?

A carne é envolta em diversos factoides e mitos que se transformam em simplificação. É comum ouvir frases como “carne vermelha é maléfica, carnes brancas são saudáveis, carne de porco não é recomendável”.

Nada é simples ou simplista em uma dieta. As nuances dos tipos de carne precisam ser melhor observadas para que a boa alimentação encontre o paladar de cada um de uma forma saudável.

Um adendo importante

As carnes são divididas em dois tipos: vermelhas e brancas. Ao contrário do que muitos pensam, a coloração aparente não é a responsável pela nomenclatura do alimento.

Carnes vermelhas são chamadas assim porque possuem mais ferro graças à maior quantidade de hemoglobina (o pigmento do sangue). As carnes brancas têm menor quantidade de ferro. Peixes, mesmo os com tons rosados e amarelados, também são considerados carnes brancas.

Carne de aves (frango, peru)

É considerada carne branca. Muitos atribuem à carne de frango menor quantidade de gordura saturada, mas isso não só não é verdade como depende do corte escolhido.

A sobrecoxa tem uma grande quantidade de gordura, semelhante aos famosos cortes bovinos de churrasco. Mesmo eliminando-se a pele, fonte aparente de gordura, ainda há boa quantidade do nutriente na carne em si.

Os cortes menos gordurosos são: o peito e a coxa, sem as devidas capas de pele.

Carne bovina

Tida como vilã de muitas dietas, é a principal responsável pelo aporte de ferro obtido na alimentação. Escolher o tipo de corte também é fundamental para que o consumo seja ao mesmo tempo saboroso e saudável.

Os cortes de carne vermelha considerados magros são: coxão mole, coxão duro, filé mignon, músculo, patinho. lagarto e maminha. Esses cortes são “naturalmente” magros, não havendo necessidade de retirar capas de gordura.

Peixes

São fontes importantes do ácido graxo Ômega 3, essencial à saúde cardiovascular e cerebral. Embora muitos digam que apenas peixes caros sejam ricos em gorduras boas, os peixes mais populares, encontrados em peixarias em feiras livres, possuem quantidades muito boas de Ômega 3. Pescadas, sardinhas, robalos… podem ser tão eficazes quanto os caros salmão e atum.

Como consumir as carnes de modo saudável.

No caso das carnes de aves, deve-se retirar a pele aparente e prepará-la em grelhas ou assadas, de preferência usando apenas a gordura da própria carne no processo de cozimento.

Carnes vermelhas também podem ser preparadas grelhadas ou mesmo em churrascos, já que o preparo não necessita de gordura. O que deve ser evitado é o excesso de consumo.

Em tese, quaisquer cortes bovinos podem se transformar em magros se a gordura for retirada. Peça a remoção ao açougueiro quando for comprar carnes mais gordurosas.

Os peixes necessitam de pequenos cuidados. Saiba escolher peixes frescos e tome muito cuidado ao prepará-los. Evite frituras em imersão, pois a gordura se fixa facilmente na carne. Novamente, prefira a versão grelhada ou mesmo crua, em sushis e sashimis.

Gestantes devem evitar o consumo de peixes crus.

Avalie este conteúdo!
Avaliação média: 4.8
Total de Votos: 11
Carnes: mitos e verdades

Comente