Cuidado com as calorias líquidas!

Bebidas também são fontes de calorias. Saiba como lidar com elas nas refeições.

Nos acostumamos a ligar alimentos com coisas sólidas, por isso quem segue uma dieta geralmente conta calorias do prato de arroz com feijão, do sanduíche e dos petiscos que come. Mas e quanto às calorias das bebidas?

Com a nobre exceção da água, a única bebida cem por cento zero calorias, quaisquer líquidos possuem valores energéticos, e algumas podem possuir até mais energia do que alguns bem conhecidos vilões de quaisquer regimes conhecidos.

## Bebidas são alimentos, sim!

Antes de continuarmos, temos que contextualizar a definição de alimento sob o “ponto de vista” metabólico. Um alimento é algo que fornece energia ao organismo, independentemente do seu estado físico.

Um suco, um refrigerante, por mais que aparentemente “despareçam” ao ingerirmos, é fonte importante de calorias. E por ser tão subestimado, pode se tornar um empecilho e mesmo um perigo em termos energéticos.

## O açúcar, como sempre

Bebidas muito consumidas antes, durante e depois das refeições possuem uma quantidade de açúcar muito acima do que a Organização Mundial de Saúde preconiza diariamente. Em uma dieta de 2000 Kcal, recomenda-se que até 10% desse total energético seja oriunda de açúcares, ou seja, 200 Kcal, ou cerca de 50 gramas de açúcar.

Uma lata de refrigerante de 350 ml tem 37 gramas de açúcar. Sucos de caixinha possuem média de 20 gramas. Energéticos, 18 gramas. Sucos naturais, 17 gramas – lembre-se que um copo de suco geralmente concentra mais do que uma fruta.

Muitas pessoas não tomam apenas um copo de suco ou uma lata de bebida gaseificada e não gastam essas calorias ingeridas imediatamente após o consumo. E o açúcar não transformado em energia gasta é acumulada na forma de gordura no corpo.

Essa gordura acumulada costuma se alojar em órgãos nobres, principalmente o fígado. Como já dito nesse texto, isso pode causar a temida esteatose hepática e até mesmo sua versão maligna, a cirrose.

## Xarope de milho, o açúcar mais perigoso

A indústria alimentícia usa xarope de milho para adoçar bebidas por ser mais barato e mais fácil de misturar. Esse tipo de frutose (o açúcar de frutas e grãos) tem maior capacidade de se transformar em gordura quando em excesso no organismo.

Como tudo o que adoça é considerado açúcar nas embalagens, é difícil discernir quem usa ou não o xarope de milho em sua composição. Como o que vale na composição de um produto é o custo final, pode-se dizer, sem medo de errar, que a imensa maioria das bebidas doces gaseificadas ou não são edulcoradas com esse xarope.

## O que fazer?

Num mundo perfeito, deveríamos evitar o consumo de bebidas adoçadas nas refeições. Contudo, sabemos o quão difícil é mudar hábitos alimentares. Seguem então sugestões para ir eliminando essa fonte de açúcar aos poucos.

Ao contrário do que dizem, não há problema nutricional em beber durante as refeições. O que é ruim é a sensação de barriga estufada, o que causa desconforto e não saciedade. Quem deve evitar beber enquanto come é quem sofre de azia e refluxo.

Se for consumir bebidas adoçadas, escolha momentos em que essa ingestão calórica possa ser gasta quase que imediatamente após seu consumo. Almoços, jantares e happy-hours fomentam o sedentarismo e consequentemente o acúmulo de açúcar no organismo.

Evite oferecer bebidas adoçadas a crianças com sobrepeso. Inclua aí achocolatados, cujas taxas de açúcar são elevadas, e alguns iogurtes líquidos com muitos corantes. Incentive a criança a fazer atividades físicas, mesmo as mais lúdicas, mas que promovam gasto calórico. Crianças já sofrem com uma overdose de alimentos doces por natureza, como bolos e doces. Muita atenção à dieta de seu filho ou filha.

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.83
Total de Votos: 6

Cuidado com as calorias líquidas!

Comente