Dieta da Evolução

Eliminar do cardápio alimentos industrializados e processados e alimentar-se apenas do que nossos ancestrais dos tempos das cavernas conseguiam obter predando e coletando; eis a ideia básica da Dieta da Evolução. Conheça mais uma proposta alimentar estadunidense seguida por muitos mundo afora.

A proposta da Dieta da Evolução — sobre a qual soube da existência graças a um entusiasmado amigo — chega a ser radical: vamos nos alimentar como nossos ancestrais na Idade da Pedra!

Um certo Arthur de Vany, professor de economia (como assim?), lançou um livro chamado “A Nova Dieta da Evolução”, que vaticina a volta, pelo menos em termos alimentares, aos tempos do homem das cavernas.

Parece loucura, não? E me refiro tanto o fato de um economista  escrever sobre a Dieta da Evolução quanto sermos arremessados aos tempos dos mamutes. Vejamos, pois, do que se trata.

Quais as bases da Dieta da Evolução?

Arthur de Vany afirma que a Dieta da Evolução foi criada a partir de uma constatação histórica: os homens e mulheres das cavernas eram musculosos e esbeltos e as causas disso eram a imensa maratona que era conseguir comida e a escassez de dois alimentos que são os principais “vilões” das dietas do mundo moderno: açúcar e farinha branca.

A Dieta da Evolução prega a eliminação da glicose, de amido e de grãos da alimentação, o consumo de carnes magras e alimentos crus, exercícios com intensidade forte e jejuns semanais.

A variedade do cardápio também é importante para que o organismo elimine toxinas e obtenha todos os nutrientes. Ah, esqueça aquela famosa divisão de seis porções diárias das outras dietas; na Dieta da Evolução três pratos por dia são suficientes.

O que é permitido comer na Dieta da Evolução?

  • Nozes, como a castanha-do-pará e a amêndoa;
  • Vegetais que possam ser consumidos crus, como alface, repolho, aipo, cebola;
  • Gorduras ricas em ômega 3 e HDL: azeite e carne de peixes;
  • Muitas frutas e de preferência com casca, se possível;
  • Carnes com baixo teor de gordura.

O que é proibido na Dieta da Evolução?

  • Grãos como milho e feijão. Lembre-se que o homem das cavernas sobrevivia do que caçava e do que achava plantado naturalmente. O conceito de agricultura não existia;
  • Laticínios integrais;
  • Alimentos ricos em amido, como batata e mandioca;
  • Comidas industrializadas, é claro. Fast food, nem pensar!
  • Bebidas alcoólicas.

Quais as vantagens e desvantagens da Dieta da Evolução?

A principal vantagem da Dieta da Evolução esta nas porções consumidas. Se aliadas a uma rotina de exercícios físicos mais puxados, não há restrições ao consumo dos alimentos permitidos.

Sua taxa de açúcar também agradece, pois a ausência de amidos, glicose e carboidratos simples deixa o chamado índice glicêmico baixo, o que reduz os níveis de colesterol e o risco de contrair diabetes.

Nutricionistas alertam: quem tem problemas renais e estomacais deve consultar seu médico antes de aderir à Dieta da Evolução e à qualquer dieta. E repetindo nosso lema: esse blog não é consultório médico nem academia. Minha obrigação é informar; a sua, ser responsável pela sua saúde.

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.9
Total de Votos: 10

Dieta da Evolução

Comente