Dieta e anemia

Um dos maiores perigos oferecidos pelas dietas mal elaboradas é a anemia. Conheça e saiba evitar.

Uma dieta, por mais frugal e acessível que pareça, precisa ser elaborada com muito critério. E não repetimos isso em quase todos os textos à toa. Há um perigo silencioso e por vezes letal que ronda os regimes mal feitos e ineficientes: a anemia. Doença muito comum entre mulheres adultas, gestantes e amamentando, a anemia é um problema sério que pode evoluir para quadros mais graves.

Essa doença é silenciosa e imperceptível em seus primeiros estágios. Por conta do escopo desse blog, nos limitaremos a discorrer brevemente sobre a anemia causada por deficiências nutricionais.

O que é anemia?

anemia

Anemia é, genericamente falando, a carência na quantidade de hemoglobina na corrente sanguínea. A hemoglobina é uma proteína que tem por função carregar o oxigênio e levá-lo a todo o organismo através do sangue.

A hemoglobina é o principal componente das hemácias, também chamadas de glóbulos vermelhos, as células que transportam os nutrientes.

No caso da anemia ocasionada por falta de alimentos, ela pode se tornar crônica caso não se ingira a quantidade correta de nutrientes essenciais à manutenção da integridade dos glóbulos vermelhos.

Em outras palavras, a anemia é uma doença onde o sangue não consegue mais produzir hemoglobina (glóbulos vermelhos) em quantidade suficiente para a manutenção da saúde. Com isso, os níveis de oxigênio na corrente sanguínea diminuem e isso afeta todos os órgãos do corpo.

Causas da Anemia

A anemia é causada pela falta de vitaminas, principalmente as do complexo B, proteínas, ferro e zinco. Porém, o tipo de anemia mais comum é a ocasionada pela falta de ferro. Ela é chamada de anemia ferropriva.

O ferro é o principal componente dos glóbulos vermelhos. O mineral é primordial na fabricação da hemoglobina.

Tipos de anemia mais comuns

Lembrando: estamos nos atendo à anemia causada por insuficiência de nutrientes.

  • Anemia ferropriva: A mais corriqueira das debilidades sanguíneas — segundo estudos, cerca de 90% das anemias são desse tipo — é causada pela falta de Ferro na alimentação.
  • Anemia megaloblástica: Bastante recorrente entre as mulheres, é ocasionada pela deficiência na ingestão de ácido fólico (vitamina B9) e de vitamina B12.

Sintomas da anemia

A primeira consequência é a queda da pressão arterial. Logo depois, como em um crescendo, vem a fadiga, a falta de disposição, ausência de apetite, palidez, secura nas mucosas dos olhos, boca e nariz, perda de cabelos e enfraquecimento das unhas e apatia.

Embora apenas um médico, de posse de exames laboratoriais que comprovem a anemia, possa relacionar os sintomas, os mais comuns são: cansaço, falta de apetite, apatia, menor disposição para os trabalhos cotidianos e dificuldade de concentração e aprendizado.

Os sintomas se traduzem em irritabilidade, redução de disposição física e mental, falta de atenção. A anemia é perigosa para gestantes, pois o bebê pode sofrer algum problema físico, cognitivo ou até mesmo vir a falecer.

Como detectar a anemia

O único método confiável é a análise laboratorial de sangue, através de um hemograma (a contagem de hemácias e demais componentes relevantes ao exame do plasma sanguíneo) e apenas um médico pode solicitá-lo e interpretá-lo.

É possível evitar a anemia?

No caso da causada por deficiências nutricionais, sim. Basta não se privar de alimentos que forneçam Ferro e ingeri-los em uma quantidade ideal. Carnes, leguminosas e alguns tubérculos são fontes seguras e ricas no mineral.

As vitaminas do complexo B acima mencionadas (ácido fólico e B12) são essenciais. A falta dessas substâncias pode causar, além da anemia, danos neurológicos. Quem deseja engravidar não pode deixar de consumir essas duas vitaminas.

Nunca subestime o cardápio elaborado por um nutricionista. Esse profissional vai saber dosar de forma adequada os nutrientes necessários para eliminar a anemia de sua dieta.

Jamais comece um regime por conta própria, principalmente os restritivos, como os que eliminam carboidratos, gorduras e proteínas, pois o risco de sofrer da chamada “fome invisível” (a desnutrição por falta de nutrientes essenciais) é grande.

Como Tratar a Anemia

Nunca é demais lembrar: quem irá diagnosticar e prescrever tratamento para a anemia é o médico, após uma criteriosa bateria de exames de laboratório.

Na maioria das vezes basta incrementar as refeições com alimentos ricos em ferro e demais nutrientes em falta. No caso específico do ferro, recomenda-se o consumo de verduras verde-escuras (couve, agrião), leguminosas (o feijão é uma excelente fonte de ferro), grãos integrais, nozes, castanhas e demais sementes, além, é claro, de carnes.

Alimentos ricos em vitamina C também são sugeridos porque eles melhoram e incrementam a absorção do ferro no organismo. Recomenda-se evitar nutrientes que reduzem a capacidade do ferro ser absorvido pelo metabolismo, como o cálcio. Não se esqueça de consultar o médico.

Casos extremos de anemia poderão ser tratados com medicamentos prescritos por médicos após análise da quantidade de hemoglobina na corrente sanguínea. Não se automedique, porque o excesso de ferro é tão prejudicial à saúde quanto a falta.

Considerações finais

Pessoas que fazem dietas restritivas ou que pregam a eliminação de algum nutriente essencial são as principais vítimas da anemia ferropriva (é claro que estamos falando de pessoas saudáveis e que não passam por problemas sociais que levam à desnutrição).

Quem passou por cirurgias bariátricas também podem sofrer quadros anêmicos graças à mudança brutal no metabolismo.

Sempre consulte seu médico quando o assunto for dietas ou o acompanhamento pós-cirúrgico. Seja responsável pela sua saúde.

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.8
Total de Votos: 12

Dieta e anemia

Comente