Dieta para a amante da happy hour

Quer curtir uma happy hour ou balada sem culpas dietéticas? Não só é possível, como pode ser divertido.

08 de junho de 2015 • Por Mariana, em Comportamento


Uma semana daquelas, com um monte de obrigações e atribulações comuns em nosso dia a dia, merece uma hora feliz, não merece?

Juntar as amigas de fé, irmãs camaradas em torno de uma mesa de um boteco bacana, com aquela loira que não causa ciúme (ainda mais se vier polarmente gelada) e os petiscos do tio da chapa quente e pronto! Felicidade instantânea.

azucar_07052013163052


O preço da felicidade instantânea

A felicidade implícita na happy hour também traz sal, gorduras e açúcares em quantidades que a fariam corar de vergonha em uma academia.

O pior é que você sabe que aquele salame com batata frita e caipirosca de vodca são calóricos até o talo, mas o que fazer? Deixar de se divertir por conta de suas obrigações estéticas? Não necessariamente.


carregando…

Ser feliz na hora certa, com petiscos e bebidas na medida certa

O segredinho reside naquela palavrinha mágica repetida no final dos comerciais de cerveja: moderação. Quem aprecia excessos deve adorar a ressaca que ela causa no dia seguinte, além dos quilos extras.  Se você não é uma dessas pessoas, veja o que pode ser feito.

  • Reduza a quantidade de cerveja; duas latas por quinzena deve satisfazer seus impulsos etílicos. Sucos naturais sem açúcar também podem ser apreciados, principalmente para quem vai ser a motorista.
  • O mundo pode ser muito gostoso com petiscos saudáveis, como azeitonas, canapés e sanduíches frios. Mas antes da farra, coma uma fruta e tome um iogurte.  O fim da picada? Lembre-se dos ponteiros da balança!
  • Una o útil ao agradável: vá a uma balada dançante. Diverte e queima calorias.
  • Cuidado com as bebidas destiladas, donas de níveis calóricos mais altos. Não se prive delas, mas limite-as a um período mensal, e de preferência em uma balada dançante.

E não acredite em quem diz que as pessoas sóbrias não se divertem em uma happy hour ou balada. Quem é divertido não precisa de níveis alcoólicos altos para provar isso.

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Deixe seu comentário!