Freekeh, o novo grão para emagrecer

Nova sensação entre os grãos integrais, o freekeh alcançou destaque por conta do aumento do seu consumo na Europa e nos Estados Unidos.

17 de julho de 2014 • Por Mariana, em Alimentos


Uma das características mais interessantes da globalização é a disseminação de hábitos alimentares outrora restritos a países ou culturas com as quais nunca tivemos contato mais abrangente. Graças a isso, e às atitudes de vanguarda de chefs de cozinha do hemisfério Norte, o mundo pôde enfim conhecer o trigo freekeh.

SectionsEd-SMH


Pequeno histórico do freekeh

Conhecido no Oriente Médio e norte da África (especialmente Egito) há milhares de anos, o freekeh (lê-se “frique”) é uma espécie de trigo que é colhido ainda verde para ser degustado. Seus grãos lembram vagamente o arroz ainda em casca.

A peculiaridade da colheita é apontada como um dos motivos de seus valores nutritivos destacados. Acompanhe.

  • O freekeh é rico em fibras, e acredita-se que ele possua cerca de 4 vezes mais fibra do que o arroz integral.
  • O freekeh também é rico em ferro e fornece boas quantidades de potássio e cálcio.
  • Quem segue dietas veganas pode comemorar: o freekeh tem altas taxas de proteína, nutriente essencial para quem segue dietas sem carnes.


Freekeh é bom para os olhos

O principal atrativo do freekeh é a concentração de duas substâncias chamadas de carotenoides, que são antioxidantes naturais e auxiliares na síntese da vitamina A no organismo.

Os dois carotenoides são a luteína e a zeaxantina. Segundo pesquisas realizadas na Universidade de Adelaide, na Austrália, ambos são muito eficazes no combate aos radicais livres, principais responsáveis pelo envelhecimento celular.

A luteína e a zeaxantina são os dois únicos carotenoides que fixam morada na retina, mais especificamente na área chamada mácula, onde ficam as chamadas células cone, que nos faz ver as cores.

O consumo desses dois nutrientes é essencial para evitar a degeneração macular na terceira idade, por isso o consumo de freekeh é altamente recomendado. Além do grão, há outras fontes desses carotenoides em outros alimentos. Veja:

Zeaxantina

carregando…

  • Milho.
  • Nectarina,
  • Pimentão amarelo.
  • Gema do ovo.
  • Abóbora.
  • Mamão papaia.

Luteína

  • Couve.
  • Brócolis.
  • Ervilha.
  • Espinafre.
  • Melão.
  • Agrião.


Mais propriedades nutricionais e considerações finais

O freekeh fornece cerca de 350 kcal por porção de 100 gramas. Como ele é rico em fibras solúveis, a sensação de saciedade proporcionada por ele ajuda a consumir porções menores durante as refeições.

O freekeh pode ser consumido como o arroz, ou em saladas e risotos, além de recheio de aves. O grão é parte integrante de pratos típicos da culinária árabe e do Oriente Médio.

Ele não é encontrado facilmente aqui no Brasil, por isso seu custo ainda é elevado. Quem deseja incluir a nova sensação entre os grãos integrais deve atentar para a presença de glúten, nutriente proibido para quem sofre de doença celíaca.

Deve-se consumir o freekeh para fins dietéticos apenas sob supervisão de um nutricionista. Como visto acima, apesar de saudável, ele é um carboidrato com calorias que não podem ser desprezadas em uma dieta balanceada. Por isso, a velha recomendação de unir o consumo do freekeh a novos hábitos alimentares e comportamentais, como a inclusão de atividades físicas, continua a mesma.

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Deixe seu comentário!