Glúten e lactose – emagrecem ou engordam?

O glúten e a lactose têm sido alvo de calorosas discussões sobre seu consumo. Descubra parte do porquê lendo esse texto.

24 de fevereiro de 2017 • Por Mariana, em Alimentos, Destaques


Dois nutrientes em especial são alvo de dúvidas recorrentes a respeito de suas propriedades na dieta: o glúten e a lactose. Os dois ingredientes são evocados por celebridades, nutricionistas, detratores e defensores, e graças à aura de polêmica instaurada muitos ficam desorientados.

Afinal, o glúten e a lactose emagrecem ou engordam? Fazem bem ou mal? Antes de formular essas perguntas, é preciso conhecer esses dois nutrientes e eliminar conceitos equivocados sobre ambos. E para que a névoa da ignorância se dissipe, a primeira pergunta precisa começar com a seguinte frase: o que é?

 


O que é glúten?

É uma das proteínas encontradas em determinados cereais, responsável pela viscosidade e elasticidade das massas formadas pela farinha desses cereais e água.

Quando a massa é cozida e/ou assada, o glúten torna a massa aparente consistente e permite a ação dos gases formados pela fermentação.

Pães e bolos não murcham imediatamente após porque o glúten coagula e mantém a forma.

As principais fontes de glúten são:

  • Trigo.
  • Cevada.
  • Triticale (híbrido de trigo e centeio).
  • Aveia.


O que é lactose?

É o açúcar encontrado no leite e seus derivados (queijo, requeijão, iogurte), com fraca dulcificação (tem pouco poder adoçante).


Por que ambos se destacam?

O glúten e a lactose são os nutrientes que mais provocam quadros de intolerância ao consumo, muito por conta dos alimentos nos quais eles se apresentam. Desde a aurora da humanidade consumimos cereais e leite e a descoberta desses quadros alergênicos com os avanços tecnológicos da Medicina fez com que os que sofrem com o consumo desses nutrientes procurassem formas de se alimentar sem passar mal.

Vamos dissertar sobre os dois quadros de alergia referentes ao glúten e à lactose.


Doença celíaca

Causada pelo consumo de glúten, essa doença ataca o intestino delgado, responsável pela quebra e absorção dos alimentos. Nas pessoas geneticamente predispostas à doença celíaca, o glúten não é assimilado pelas enzimas, o que causa mal desenvolvimento da mucosa do intestino delgado.

carregando…

Com a mucosa incapaz de absorver os demais alimentos, a doença celíaca se instala e causa:

  • Diarreia;
  • Em crianças, atraso no crescimento e desenvolvimento;
  • Perda de peso;
  • Fadiga.

A única maneira de evitar a doença celíaca é não consumir glúten pela vida inteira.

 


Intolerância à lactose

Geralmente, o ser humano tem enzimas que quebram o açúcar do leite em partículas para facilitar a digestão. Quem sofre de intolerância à lactose não possui essa enzima, chamada de lactase, e não consegue digerir o leite e seus subprodutos.

A lactose não digerida faz com que a flora intestinal aumente de tamanho descontroladamente, causando os seguintes sintomas:

  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Diarreias fortes e contínuas.

Assim como a doença celíaca, a intolerância à lactose também tem origem genética e só pode ser evitada suprimindo fontes de lactose da dieta.


Considerações finais

O consumo ou não de glúten e de lactose depende basicamente da tolerância a esses nutrientes. Quem sofre com a doença celíaca e a intolerância a lactose deve simplesmente eliminar os alimentos que contenham as fontes dos seus problemas.

Quanto ao valor dietético da lactose e do glúten para os demais, valem as recomendações nutricionais de sempre: deve-se consumir proteínas e açúcares nas porções adequadas a cada organismo para evitar o acúmulo de gordura e a consequente obesidade.

Essas intolerâncias também servem de alerta. Algumas pessoas podem sofrer alergias a alimentos e nutrientes específicos, menos comuns mas existentes, e por isso sempre alertamos: antes de iniciar qualquer dieta, por mais saudável e inocente que ela pareça, consulte o médico e o nutricionista.

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Deixe seu comentário!