Gordofobia e o mal que ela faz

Precisamos falar sobre gordofobia e seus efeitos negativos sobre a psique.

23 de fevereiro de 2017 • Por Mariana, em Comportamento, Depoimentos Reais, Destaques


Ontem postamos um depoimento do antigo proprietário do blog sobre o hoje conhecido como gordofobia, o preconceito e o estigma criados sobre a obesidade e a pessoa obesa ou com sobrepeso pela sociedade.

São palavras poderosas de quem, apesar de tudo, soube lidar com galhardia, bom humor e discernimento com essas chagas impostas pela sociedade cada vez mais preocupada com os aspectos superficiais de um problema muito mais profundo do que muitos pensam.

Mas o que eu, a atual dona e escritora tem a dizer sobre a gordofobia?

O escopo do blog Emagrecer

Ouso dizer que, desde o dia um, e aqui estendo esse conceito para o dia da criação desse blog pelo antigo proprietário (um abraço, Janio Sarmento), o principal objetivo desse espaço é postar textos simples, concisos e minimamente embasados sobre dietas, mostrando sempre prós e contras desses regimes, bem estar, estilo de vida saudável e a inclusão de atividades físicas de forma responsável e calcada em fatos comprovados.

Quem nos acompanha há um bom tempo sabe o que acho sobre “dietas milagrosas”, “dietas da moda calcadas em celebridades” e demais tipos de regime tão populares na Internet (spoiler: não gosto. Nem um pouco). Por muito tempo fui adepta desse tipo de dieta, tentando de tudo, literalmente tudo, para emagrecer. Além do quesito saúde, havia um componente a mais, cruel e injusto: a cobrança da sociedade.

Colegas de trabalho, familiares, “amigos” impuseram sobre mim o “enorme problema” em estar acima do peso com frases pouco elogiosas, para dizer o mínimo. Hoje, após anos de luta contra a balança e contra meu ego, posso dizer que, mais do que simplesmente caber em uma calça 38, o importante é sua saúde e seu bem estar físico e psicológico, não importando o número impositivo de suas roupas (a propósito, eliminei 30 quilos e estou ótima, em todos os aspectos, do jeito que estou hoje, obrigada. E não, não uso 38).

Mais do que simplesmente apontar o dedo acusatório, esse blog tem por missão mostrar que dietas e cirurgias bariátricas existem, obesidade é um problema de saúde real, mas jamais dizer o que é certo ou errado baseado em um achismo ou em minha opinião pessoal sobre isso. E tenho um motivo muito bom para isso.

O mal que a gordofobia faz

Uma pesquisa capitaneada pela Universidade da Pensilvânia (EUA) escancara ao mundo algo que eu e muitas de nós que estão ou estiveram acima do peso sofreram na pele e na alma: quem sofre os efeitos da gordofobia e adquire um complexo de inferioridade por causa da aparência (e não por causa dos malefícios à saúde, note bem) possuem um risco três vezes maior de ter problemas metabólicos e seis vezes maior de possuir uma taxa alta de triglicérides (as placas de gordura que podem entupir artérias.

Dizer a uma pessoa obesa ou acima do peso que ela não se encaixa, que ela é feia segundo padrões inatingíveis à maioria dos mortais, que sua obesidade ou sobrepeso é resultado de preguiça, má vontade, entre outras ditas “frases motivacionais” podem ferir de morte o amor próprio de muitas pessoas, o que pode ocasionar episódios de depressão e ansiedade.

Esse blog, mais do que um compilado de dietas e a tentativa honesta de dissecá-las em um texto conciso, mais do que um conjunto de exercícios que possam servir a algumas pessoas, é um abraço meu a todas que precisam de esclarecimentos, e não de julgamentos. Jamais usarei argumentos ad hominen para embasar quaisquer dietas, tratamentos, cirurgias bariátricas ou atividades físicas. Seremos honestos, eu e minha pequena equipe, com quem precisa de esclarecimentos. Gordofobia aqui não tem vez. Podem me cobrar.

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.43
Total de Votos: 7

Gordofobia e o mal que ela faz

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

O que você pensa disso? Vamos construir um debate!