Leite de Alpiste e a Universidade do México

A lenda do leite de alpiste voltou à tona, dessa vez por e-mail e pelas redes sociais. Mais uma vez iremos falar sobre isso.

04 de março de 2015 • Por Mariana, em Destaques


Após quase dois anos, recebi novamente um e-mail falando sobre as propriedades poderosas do leite de alpiste no combate à obesidade, ao diabetes, aos problemas hepáticos e renais e na regeneração dos fígado e do pâncreas a nível celular.

Novamente, usaram como supostas fontes cientistas da Universidade Nacional Autônoma do México, e como da última vem em que me enviaram a “bombástica novidade”, não citam nenhuma fonte, nem dão um link direcionando aos estudos da Universidade.

Vamos falar mais uma vez sobre o leite de alpiste!

O leite de alpiste segundo o e-mail

A primeira coisa escrita no arquivo é a tentativa de corroborar os supostos benefícios do leite de alpiste usando o nome da Universidade Nacional Autônoma do México, uma das mais renomadas instituições de ensino superior da América Latina. Segue o que o PowerPoint apócrifo diz sobre as propriedades do leite de alpiste:

  • O alpiste contém uma “proteína incrivelmente poderosa com aminoácidos estáveis”.
  • A capacidade enzimática do alpiste também é “poderosa”, sem especificar quanto.
  • Segundo o texto, um copo de leite de alpiste contém mais proteínas do que dois ou três quilos de carne. Primeiramente não definem se são dois ou três; mas o que me acendeu o alerta foi a grafia da palavra “quilos” empregada no texto: está escrito “kilos”.
  • As enzimas do leite de alpiste, ainda segundo o texto, desinflamam órgãos internos como o fígado, o pâncreas e os rins. Há muito tempo não frequento uma sala de aula, mas as enzimas não possuem essa “ação desinflamadora”…
  • Graças a esse poder de desinflamar, o leite de alpiste acaba com o diabetes, a cirrose, a retenção de líquidos e queima gorduras tanto nas veias e artérias quanto sob a pele, sendo um remédio eficiente contra a obesidade e a hipertensão.

O leite de alpiste segundo a Universidade Nacional Autônoma do México

Já que citaram a confiável Universidade como fonte das pesquisas que levaram a tão maravilhosos resultados (só faltou dizer que o alpiste é o responsável pelo voo dos pássaros), fiz o que qualquer pessoa com um pouquinho de bom senso faria.

carregando…

Fui ao site oficial da UNAM e procurei textos acadêmicos sobre o leite de alpiste. Como não leio nem falo espanhol, obtive a providencial ajuda do Google Tradutor. Em resumo, eis o que a universidade fala sobre tudo isso.

  • Alpiste (Phalaris canariensis): gramínea anual, com folhas planas e espigas agrupadas.
  • No Distrito Federal (a cidade do México) e em Tlaxcala a pressão alta é tratada com a água onde se ferve as sementes do alpiste. Coa-se após a fervura e toma-se essa água por uma semana sem adoçar.
  • Agora vem a parte mais importante: não há antecedentes de uso medicinal, nem estudos químicos ou farmacológicos que corroborem a eficácia dessa água de alpiste.

Se você recebeu esse arquivo em sua caixa de mensagens, pode apagá-la sem cerimônia. É mais uma das muitas lendas urbanas destinadas a quem quer emagrecer e ter seus problemas de saúde resolvidos com uma panaceia.

Fuçando um pouco mais, descobri que essa mensagem, devidamente modificada, é repassada desde meados da década passada. NÃO CAIA NA ESPARRELA DO LEITE DE ALPISTE.

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Deixe seu comentário!