Refrigerantes e dietas saudáveis: combinação impossível?

Você sabe o real valor calórico e nutricional dos refrigerantes na dieta?

18 de julho de 2015 • Por Mariana, em Alimentos, Comportamento


São poucas as unanimidades no mundo das dietas, e uma delas é a crucificação do refrigerante como o inimigo a ser combatido em um cardápio saudável.O problema é que três séculos de disseminação e popularização transformaram o comércio de bebidas gaseificadas em um negócio milionário.

Contudo, desde que o ex-prefeito de Nova Iorque, Michael Bloomberg, idealizou uma campanha contra hábitos alimentares nocivos e colocou os refrigerantes, e suas porções cada vez maiores, na berlinda, a discussão voltou à tona: qual o verdadeiro peso dos refrigerantes nos males que levam à obesidade?

 

Breve história dos refrigerantes

A ironia é que a gênese do refrigerante se deu em ambientes farmacêuticos, com o nobre intuito de eliminar desconfortos intestinais.

Tudo começou em 1772, com a criação de uma bomba que incluía gás carbônico na água. O invento de Joseph Priestley e Antoine Lavoisier emulava o que se fazia na Bélgica (não por acaso, o país que produz as melhores cervejas do mundo).

refrigerantes

Dez anos depois, em 1782, um farmacêutico americano, Thomas Henry,  conseguiu produzir água gaseificada de forma industrial.

No século XVIII, a venda das bebidas gasosas com fins terapêuticos nas farmácias era garantia de sucesso, o que fez com que os outrora nobres farmacêuticos vissem nisso uma excelente oportunidade de negócio.

Incrementaram os sabores do xarope carbonatado com misturas secretas e exclusivas. O primeiro a criar um mix de enorme sucesso foi Charles Alderton, com seu Dr. Pepper.

O segundo farmacêutico visionário foi John Pemberton, que antes comercializava uma mistura de noz de cola e cocaína com fins revigorantes. Com a descoberta dos efeitos deletérios da hoje droga ilegal, a cocaína foi retirada da fórmula e sua mistura “secreta” tornou-se a Coca-Cola. Já ouviu falar?

O terceiro profissional especializado em farmacologia a usar a bebida gaseificada para enriquecer foi o senhor Caleb Davis Bradham, que desenvolveu um xarope gaseificado para combater azia e má digestão, usando na mistura noz de cola, especiarias e pepsina, uma enzima digestiva que deu nome à bebida: Pepsi-Cola.

carregando…

Os refrigerantes hoje

O faturamento da indústria de refrigerantes é astronômico, passando fácil a casa do bilhão. As campanhas de marketing são as mais agressivas entre todos os setores da economia (quem cresceu entre os anos 1980 e 1990 foi testemunha ocular da “guerra das colas”).

O dinheiro, por muito tempo, ocultou um problema crucial nas “inofensivas” bebidas gaseificadas: a quantidade de açúcar nos refrigerantes.

Quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) começou a se debruçar sobre as chamadas enfermidades crônicas, elegeu a diabetes como um dos males a ser combatidos, graças principalmente ao alto consumo de açúcar refinado no mundo.

Não demorou para que as quantidades de açúcar nos refrigerantes fosse colocada como exemplo negativo. Observe:

  • Uma porção de 600 ml de refrigerante de cola contém 100 gramas de açúcar, ou cerca de 16 sachês de 6 g.
  • A mesma porção de refrigerante com sabor cítrico – laranja ou limão – tem 120 gramas, ou cerca de 20 sachês.
  • As chamadas tubaínas, os refrigerantes populares, tem em média 130 gramas de açúcar.

O consumo diário recomendado de açúcar é de 200 calorias. Essa quantidade não provoca sobrecarga na produção de insulina, que quando descompensada transforma o açúcar em gordura e pode não dar conta de metabolizar o excesso, provocando a diabetes. Um refrigerante de 600 ml extrapola a porção diária de açúcar sem esforço.

Não são todos que conseguem simplesmente abandonar os refrigerantes, o que seria perfeito nutricionalmente falando mas impraticável na vida real para a maioria dos mortais.

O segredo é o equilíbrio. Evite as famosas “porções jumbo” de algumas redes de fast-food e limite os refrigerantes a porções mínimas semanais. Se durante essa redução você conseguir a eliminação, parabéns.

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Deixe seu comentário!