Remédios para emagrecer: prós e contras

Ainda em dúvida sobre as vantagens e desvantagens em se tomar remédios para emagrecer? Uma pequena lista de prós e contras pode ajudá-la a dirimir as pertinentes questões sobre anfetaminas e anorexígenos.

19 de abril de 2014 • Por Mariana, em Medicamentos


Quando assumi o blog no “longínquo” ano de 2011, uma troca de e-mails em particular me chamou a atenção, tanto pelo pedido do leitor (ou ex-leitor) quanto pelas ofensas a mim dirigidas. Essa pessoa achou que eu, por alguma razão, fornecesse remédios para emagrecer.

remedios-g

Quando informei que esse blog não era farmácia e que tais remédios só poderiam ser adquiridos sob prescrição médica, digamos que eu e meus parentes foram amaldiçoados.

Embora tenha dado ao cidadão em questão uma resposta à altura, mas sem os mesmo palavrões aquela reação não saiu de minha cabeça por dias.

O tempo passou, muitas postagens foram escritas sobre anfetaminas, anorexígenos e assemelhados, mas sempre tinha a impressão de que faltava dar a resposta final sobre os prós e contras no que diz respeito ao uso dos remédios para emagrecer, enumerando o que eles podem ter de bom e de ruim.

Afinal, o uso desses fármacos nas famosas bombas ainda pode ser considerado uma opção válida para emagrecer?

Remédios para emagrecer mais prescritos

Essa lista foi fácil de obter: bastou que duas amigas me mostrassem as receitas dos coquetéis que elas tomaram por anos. Hoje elas não se utilizam mais desses artifícios.

carregando…

  • Femproporex e anfepramona – são classificadas como anfetaminas anorexígenas. De acordo com as bulas, essas anfetaminas fazem com que a pessoa perca o apetite e diminua a capacidade de sentir o sabor e o cheiro dos alimentos.
  • Sibutramina – foi a “droga do momento” quando foi lançada, já que ela agia sobre o mecanismo da saciedade. Era um “efeito colateral” do remédio, que foi desenvolvido originalmente como antidepressivo.

E que tal emagrecer com remédios?

O grande problema na venda dos remédios para emagrecer  foi a aura de “milagrosos” que eles tiveram aos olhos de quem os usava, os leitores antigos sabem o que eu, e consequentemente esse blog, achamos sobre milagres dietéticos.

Meus médicos me deram uma lista de prós e contras em usar anfetaminas e antidepressivos no tratamento da obesidade. O problema foi que só existe um item favorável ao uso de remédios para emagrecer: por um determinado período de tempo, eles conseguem ser eficientes, já que a pessoa perde boa parte do apetite que tinha, juntamente com o peso excedente. Contudo, a lista de efeitos danosos sobrepõe-se ao pretenso efeito estético desejado.

  • O uso de bombas (que são a junção de anfetaminas e antidepressivos) por muito tempo causa dependência psíquica e tolerância. Ou seja, quanto mais a pessoa toma os remédios, mais ela acha que precisa tomar.
  • As anfetaminas podem causar danos sérios no coração e no sistema circulatório. Episódios de taquicardia e pressão alta são frequentes e podem levar aos temidos acidentes vasculares cerebrais.
  • Os remédios para emagrecer acabam com o sistema digestivo das pessoas. Quem os usa não raro sofrem com boca seca, vômito, diarreia e até cãibras na barriga.
  • O uso frequente desses fármacos causam frequentes acessos de mau humor e de irritação. Deve ser o que acometeu o ex-leitor em seu pouco amigável e-mail recheado de palavrões.

Além de todas essas informações, deixo aqui mais duas notas complementares. A primeira: desde 2011 as anfetaminas tem venda e produção proibidas aqui no Brasil pela Anvisa. A segunda: a sibutramina ainda pode ser comercializada, mas agora em receita azuis e numeradas, sob severa vigilância e acompanhadas de um termo de responsabilidade.

Somente um médico poderá prescrever, caso necessário, quaisquer remédios para emagrecer. Lembre-se disso.

Compartilhe

 

Este site site não é farmácia ou consultório médico. Não brinque com sua saúde. Não se automedique. Consulte seu médico, e não confie no que ler na Internet, nem mesmo neste site.

Deixe seu comentário!